E se for rapariga, chama-se Custódia!

ISBN: 978-972-627-679-1
Edição/reimpressão: 10-2003
Editor: Areal Editores
Código: 00735
ver detalhes do produto
7,90€ I
6,32€ I
-20%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
PORTES
GRÁTIS
EM
STOCK
7,90€ I
6,32€ I
COMPRAR
I 20% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK
I PORTES GRÁTIS

SINOPSE

Que circunstância levam dois homens a revelarem o que de mais íntimo têm em si, que circunstâncias determinam que dois homens procurem ultrapassar os seus medos, procurarem libertar-se da solidão que os oprime...?
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

E se for rapariga, chama-se Custódia!
ISBN: 978-972-627-679-1
Edição/reimpressão: 10-2003
Editor: Areal Editores
Código: 00735
Idioma: Português
Dimensões: 135 x 210 x 5 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 64
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Livros > Livros em Português > Literatura > Romance
Dramaturgo, encenador, jornalista e romancista português (1926-1993), conhecido sobretudo pela peça em dois atos Felizmente Há Luar (1961), que ganhou o Grande Prémio de Teatro da Associação Portuguesa de Escritores mas seria representado no nosso país apenas em 1978, devido à intervenção da censura. A sua carreira literária iniciou-se em 1960, com a publicação do romance Um Homem não Chora, a que se seguiu, em 1961, outra obra de prosa ficcional, Angústia para o Jantar. As suas sátiras sobre a ditadura e a Guerra Colonial tornaram-no objeto de perseguição política, chegando mesmo o autor a ser preso.
Ver Mais