Falar Verdade a Mentir

ISBN: 978-972-627-576-3
Edição/reimpressão: 01-1989
Editor: Areal Editores
Código: 00658
ver detalhes do produto
7,90€ I
6,32€ I
-20%
EM
STOCK
COMPRAR
-20%
EM
STOCK
7,90€ I
6,32€ I
COMPRAR
I 20% DE DESCONTO IMEDIATO
I EM STOCK

SINOPSE

Plano Nacional de Leitura
Livro recomendado no Plano Nacional de Leitura para leitura orientada no 8º ano de escolaridade.
Uma divertida peça teatral, cuja ação decorre na Lisboa do século XIX, em que um mentiroso incorrigível se vê enredado numa situação caricata, pois o futuro sogro só lhe dará a mão da filha e o respetivo dote no caso de não o apanhar a mentir durante um dia. Nesta edição didática, ilustrada, de Falar Verdade a Mentir o aluno dispõe, para além do texto integral da obra de Almeida Garrett, de uma ficha de verificação da leitura e de textos informativos que lhe permitem saber mais sobre Garrett e a sua época.
Ver Mais

DETALHES DO PRODUTO

Falar Verdade a Mentir
ISBN: 978-972-627-576-3
Edição/reimpressão: 01-1989
Editor: Areal Editores
Código: 00658
Idioma: Português
Dimensões: 160 x 164 x 5 mm
Encadernação: Capa mole
Páginas: 64
Tipo de Produto: Livro
Classificação Temática: Ensino > Apoio Escolar > 7.º Ano > Outros > Ensino > Apoio Escolar > 8.º Ano > Outros > Ensino > Apoio Escolar > 9.º Ano > Outros
Nascido no Porto, a 4 de fevereiro de 1799, João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett foi um dos escritores mais completos no panorama das letras portuguesas. Formado em Leis pela Universidade de Coimbra, apoia, no último ano do curso, a causa da revolução liberal de 1820, exilando-se consequentemente em Inglaterra e França. Neste seu afastamento, publica os dois títulos fundadores do Romantismo português: Camões (1825) e D. Branca (1826). No entanto, é depois do regresso definitivo a Portugal, em 1836, que se mostra mais profícuo, escrevendo um conjunto de obras, das quais se destacam a peça trágica Frei Luís de Sousa (1843), as inclassificáveis Viagens na Minha Terra (1846), ou os ousados versos de Folhas Caídas (1853). Aliado ao escritor está ainda Garrett, o homem cívico, que contribui para a redação da Constituição de 1838, funda o Conservatório de Arte Dramática e encabeça o projeto de edificação do Teatro Nacional D. Maria II. Almeida Garrett morre em Lisboa, a 9 de dezembro de 1854.
Ver Mais